Sobre Nós

Em 1902, na cidade de Itu, o imigrante alemão Adolf Steiner, no Brasil desde 1889, abre juntamente com seu filho Max, a Padaria e Confeitaria Alemã. É nesta padaria que Max, depois do expediente de trabalho, reúne seus amigos para apreciar as bebidas de sua terra natal: a Cerveja e o Steinhäger. Para acompanhar as bebidas, Max preparava sua especialidade, o Bife do Steiner: um delicioso corte de carne frito na manteiga e acebolado, com molho de tomate.

Na década de 30 eram tantos apreciadores do Bife do Steiner, que Max, sempre atento à demanda, agrega à Padaria um Bar e Restaurante. É nesta época que a Antártica lança seu chope e o estabelecimento de Max se torna o único do interior do estado a ter o Chope Antártica e passa a ser mais um diferencial, pois o chope era um produto raro. Quando Max completa 70 anos, passa ao seu filho Paulo, o Paulito, a gerência do Bar. Nesta época nos anos 50, além do Bife do Steiner, o Bar do Alemão, como passou a ser chamado pelo público, oferecia outra delícia aos seus clientes: o “Orelha de Elefante”, um tenro bife de filet mignon à milanesa. É nesta década de 50 que um cliente, ao provar um “Orelha de Elefante”, disse que o bife era um pouco seco para seu paladar.

Os filhos de Paulito, Marcos neto e Paulo Jr. resolvem esse problema de uma maneira primorosa, acrescentando modo de tomate à receita. Mas os irmão achavam que ainda faltava algo para transformar o prato em um verdadeiro clássico gastronômico e descobrem o que faltava em uma ida à cidade de São Paulo: o queijo das tradicionais parmegianas italianas. Esta receita, saborosíssima, aliada ao corte de carnes selecionadas com atenção, fez da Parmegiana do Bar do Alemão a mais conhecida e apreciada Parmegiana do Brasil. Nos anos 60, deixa de funcionar a padaria, passando o Bar e Restaurante Alemão a ser o centro das atenções da terceira geração da família, o qual Marcos Netto e Paulo Jr. modernizam o Bar do Alemão, com uma reforma que tornou o ambiente ainda mais acolhedor. Por volta de 1990 a quarta geração assume o comando do restaurante e resolve levar a famosa Parmegiana a outros horizontes e abre o Bar do Alemão em Campinas, Sorocaba e São Paulo.

É a paixão pela boa comida, boa bebida e o convívio com os amigos que faz com que o Bar do Alemão, em qualquer cidade, continue sendo o sucesso que sempre foi.